quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Quiche de palmito com massa de batata doce e linhaça:




​Ingredientes - Massa: 



● 1 xícara de farinha de arroz.


● 1 xícara de linhaça.


● 1 colher de sopa de polvilho doce.


● 1 colher de chá de goma xantana.


● 1 colher de chá de sal.


● 10 gramas de fermento biológico seco.


● 1 batata doce média, cozida e amassada.


● 1 xícara de água morna.


● 3 colheres de sopa de azeite.


Modo de preparo - Massa:


Misture os secos. Acrescente a batata e o azeite. Por último, acrescente a água, aos poucos e mexa bem. Unte uma forma removível e transfira a massa. Ela fica fácil de espalhar, com uma colher ou garfo. Depois é só acrescentar o recheio de preferência.






Ingredientes - Recheio:






● 2 vidros de palmito em conserva.


● 1/4 xícara de azeitonas picadas.


● 1 cebola grande picada.


● 2 dentes de alho picados. (opcional)


● 2 colheres de sopa de óleo vegetal.


● 1 colher de sopa de fécula de mandioca, amido de milho ou araruta. (opcional)


● 2 colheres de chá de orégano.


● Tomates cereja ou uva a gosto.






Modo de preparo - recheio:




Em uma frigideira ou panela grande, refogue a cebola no óleo até ficar translúcida. Acrescente os dentes de alho e deixe refogar por cerca de um minuto. Adicione o palmito picado, o orégano e as azeitonas, misture tudo. Dilua a fécula de mandioca com duas colheres de sopa de água.





Em seguida, adicione na cobertura mexendo sem parar até a mistura ficar cremosa. Desligue o fogo e transfira a cobertura para a torta. Espalhe sobre a massa e finalize colocando os tomates, cortados ao meio, por cima. Leve ao forno por cerca de 20 minutos a 200°C ou até as bordas da massa ficarem douradas e os tomates murcharem.








FICA AI A SUGESTÃO DA Rafaele


​Sem glúten e sem lactose: Saiba como substituir ingredientes sem prejudicar o sabor


Chef Gabi Rabelo, em parceria com Namu Cursos, ensina receitas com leites, manteigas e queijos sem lactose, além de farinhas sem glúten


Glúten é uma proteína encontrada em alguns cereais, como aveia, trigo, centeio, malte e cevada, além de vários produtos industrializados. A lactose é um açúcar encontrado unicamente nos leites dos mamíferos e, por consequência, em todo tipo de alimento derivado desses leites, como manteigas e queijos.


Muitos têm optado pela retirada de cardápios que possuem esses elementos. “A doença celíaca, distúrbio autoimune inflamatório do intestino delgado, é um dos motivos que levam as pessoas a não consumirem mais o glúten. Já a intolerância à lactose é um distúrbio digestivo causado pela incapacidade de produzir uma quantidade suficiente da enzima lactase, necessária para digerir o carboidrato”, explica a chef e nutricionista Gabi Rabelo. Ambas podem causar diversos desconfortos.


O curso de Pães, Bolos e Tortas Sem Glúten e Sem Lactose foi elaborado por Gabi especialmente para o Namu Cursos, primeira plataforma de Cursos Online voltados para vida equilibrada, pensando em pessoas que buscam manter saúde sem perder o sabor das receitas.


Com o objetivo de oferecer opções também saborosas para pessoas que não podem ou não querem consumir glúten e lactose, separamos as melhores substituições:


Farinhas


Para substituir o glúten, utilizamos vários tipos de farinhas, sendo as mais comuns:


• Farinha de arroz ou Creme de arroz


• Polvilho doce e azedo (Fécula de mandioca)


• Fécula de batata


• Amido de milho


• Fubá (Farinha de milho)


Para enriquecer as farinhas, podemos adicionar fibras e nutrientes como: Linhaça, Quinoa, Chia, Gergelim, Sementes de girassol, Castanhas, Nozes, Amêndoas


Também usamos alguns aditivos e estabilizantes, que ajudam a dar liga nas massas sem glúten, como: Goma xantana, CMC (carboximetilcelulose), Goma guar, Goma de polvilho, Lecitina de soja, Gelatina incolor, Emulsificante de sorvete


Leites vegetais


Conforme destacado pela nutricionista e chef, quem é intolerante ou alérgico à lactose costuma substituir os leites animais pelos leites vegetais. Não costumamos encontrar grande variedade de leites vegetais disponíveis em supermercados e, além de apresentarem preços bem elevados, costumam apresentar conservantes, corantes, açúcares e adoçantes em suas composições, perdendo as propriedades. “Uma alternativa aos leites vegetais industrializados é fazê-los em casa. O processo é simples e bem similar para diferentes tipos de grãos”.


Dentre os inúmeros benefícios dos leites vegetais, estão: “Em dietas com restrição de leite animal pode funcionar como substitutos em receitas como bolos, pães, cremes, toras etc; Não possui gordura saturada, portanto não aumenta o colesterol ruim; São fontes de minerais como o potássio e vitaminas do complexo B; São ótimas fontes de fibra, dependendo do vegetal utilizado no preparo”, garante a Gabi Rabelo.